Muito se fala sobre os preparativos estruturais para a chegada de um filho: montar o quarto, comprar roupinhas, estoque de fraldas, organizar enxoval etc. Da mesma forma, existem vários textos, rodas de conversa, aplicativos, e o pré-natal, para auxiliar uma mulher no parto. Porém, pouco se fala sobre o puerpério. Puerpério - ilustração onde mostra diversas mães em inúmeras situações de cansaço, atividades etc O puerpério é o período pós-parto em que o corpo e o psicológico da mulher estão se reajustando e se adaptando a uma nova formatação. Existe uma nova pessoa em sua vida – uma pessoa totalmente dependente, frágil, vulnerável e indefesa -, os hormônios estão a mil e a mãe precisa encarar a rotina da amamentação (seja no seio, seja oferecendo leite de outra forma), noites sem dormir e a recuperação da intensa experiência do parto. Em termos gerais, dura em média 45 dias, mas há mulheres que relatam sentir o puerpério até os dois anos de vida do filho. Puerpério - Ilustração de uma mãe aparentemente cansada, sentada em uma poltrona segurando seu bebê Esse, provavelmente, é o momento em que a mãe mais precisa de uma rede de apoio. Além do pai, ou de outros cuidadores prioritários, é fundamental a ajuda de avós, tios, tias, amigas e amigos, padrinhos e madrinhas. Sabemos que, atualmente, por conta da pandemia e dos protocolos de segurança, a presença física e o contato estão restritos. Porém, há várias maneiras de acolher e ajudar uma puérpera. Listamos algumas ações simples e práticas para auxiliar uma puérpera, caso você esteja longe fisicamente ou não more com ela. Tenha sempre esta lista em mente quando uma amiga ou familiar tiver filhos.

1 – Não force a visita

Para começo de conversa, não force a visitação. Além da pandemia por conta do Coronavírus, a última coisa que uma recém-mãe precisa é se preocupar em se arrumar, organizar a casa e deixar tudo receptivo para familiares e amigos. Os primeiros dias em casa são de muita adaptação e transformações para os pais e bebê. Além disso, a mãe e o recém-nascido estão se conhecendo, se conectando e criando intimidade. Esse momento é único e merece ser vivido em paz e com tranquilidade. Apesar de todos estarem ansiosos e animados para conhecer a nova pessoa que fará parte de suas vidas, é indicado “segurar a emoção”. Se você tiver muita intimidade, pode enviar uma mensagem perguntando se a mãe precisa de algo ou se quer a sua companhia, sempre levando em consideração as recomendações médicas.

2 – Ajude com a alimentação da puérpera

Uma mãe cuidando de um recém-nascido mal tem tempo de se alimentar, o que pode ser muito problemático, já que ela precisa de energia e nutrição para dar conta da amamentação, seja direta ou indireta, e dos cuidados com o bebê. Uma atitude simples e que pode ajudar muito é… alimentá-la. Converse com a mãe e, se ela se sentir à vontade, envie um delivery de comida para a casa dela. Se possível, você pode preparar refeições saborosas e saudáveis e entregar pessoalmente, sem transformar isso em uma visita demorada e sempre respeitando os protocolos de higienização e segurança contra Covid-19. Sem dúvida, esse gesto de carinho e suporte será bem-vindo! Puerpério - ilustração que mostra um homem em pé ao lado de uma moto, carregando suas sacolas de compras

Veja também – Amamentação: esclareça as dúvidas mais frequentes

3 – Se faça presente, mesmo que virtualmente

A puérpera não tem muito tempo, de fato, mas é comum ela se sentir solitária, mesmo que ela more com o pai ou outro cuidador da criança. Ligações, chamadas de vídeo, mensagens de texto ou mensagens de áudio são bem-vindas. Muitas vezes a recém-mãe consegue uma brecha para se comunicar com outras pessoas e 5 minutinhos de desabafo já são reconfortantes. Puerpério - ilustração que mostra duas mulheres conversando ao telefone Outra ideia é indicar um grupo de mães para que ela entre e participe. Ajuda muito saber que você não está passando por tudo aquilo sozinha.

4 – Evite dar palpites ou fazer comentários que podem ser negativos

Pode parecer uma dica simples e óbvia, mas muita gente não segue. Mães no puerpério estão muito sensíveis, porque além da desregulação hormonal, elas estão sempre muito cansadas, lidando com muitas transformações. Por isso, é importante tomar cuidado com o que se fala e, principalmente, na maneira como se fala. Comentários relacionados ao seu maternar ou sobre o seu bebê podem ser mal interpretados. Se a criança estiver segura, saudável e se desenvolvendo bem, segundo diagnóstico do pediatra, evite expressar sua opinião. É melhor falar apenas se a puérpera pedir um conselho ou uma dica. Se for um elogio ou um comentário de incentivo, fale sem medo. O mais indicado é ouvir, acolher e tentar não julgar. Cada mãe é única e tem sua maneira própria de cuidar e criar seu filho. Respeite.

5 – Se ofereça para lavar e passar roupas ou limpar a casa

As tarefas domésticas ficam totalmente em segundo plano para pessoas que acabaram de ter bebê, porém, a casa continua juntando poeira, vira e mexe o bebê golfa na camisola da mãe ou as manchas marcam todas as camisas. Como já falamos acima no texto, sabemos que são tempos difíceis e que o isolamento é a recomendação para lidar com a pandemia, porém, buscar uma muda de roupa suja e trazer tudo limpinho e cheiroso é um sonho para a puérpera. Além do bem-estar de vestir roupas limpas, essa tarefa já tira uma preocupação da cabeça dos pais. Converse com a mãe e, caso ela se se sinta confortável com a sua presença, se ofereça para faxinar a casa por um dia.

Se você curtiu esse conteúdo, não esqueça de compartilhar! 🙂 Saiba mais novidades sobre a Beep no InstagramFacebook e Twitter. Ah! E se quiser entrar no nosso foguete, estamos com várias vagas abertas!