O que é a alergia à proteína do leite?


Conhecida como APLV, a alergia à proteína do leite de vaca é uma das principais e mais comuns alergias alimentares. Atingindo principalmente a fase infantil, ela acontece quando o sistema imunológico do bebê reage contra as proteínas do leite.
Neste artigo, você entenderá mais sobre essa doença, como ela acontece, qual é o melhor tratamento, suas causas e mais. Confira!
imagem mostrando uma menina tampando a boca de frente pra um copo de leite - alergia à proteína do leite

O que a alergia ao leite pode causar? Quais são os sinais e sintomas?


Essa alergia pode ocasionar reações na pele, como:
  • Boca, língua e rosto inchados;
  • Urticária;
  • Erupção cutânea;
  • Vermelhidão;
  • Coceira na pele e olhos.
Os sinais e sintomas costumam aparecer de imediato ou em até 2 horas após ingerir o leite – ou derivados. Entretanto, em algumas pessoas eles se manifestam mais tardiamente.

São eles:
  • Choque anafilático;
  • Sibilos (som similar a um assobio que ocorre durante a respiração);
  • Rinite;
  • Tosse seca;
  • Vômito;
  • Dificuldade para respirar;
  • Asma ou desconforto respiratório.
Em sua maioria, os casos de APLV surgem quando a criança começa a ter leite e seus derivados em sua alimentação. Mas as reações alérgicas podem se manifestar em bebês que ainda estão em fase de amamentação, devido à dieta materna. Nesta ocasião, recomenda-se à mãe uma restrição alimentar desses produtos.

Como fica a alimentação sem leite de vaca?


Alimentos e ingredientes que devem ser retirados da dieta:

Pessoas alérgicas à proteína do leite não podem ingerir nenhum tipo de alimento que tenha esse nutriente, como:
  • Leite;
  • Manteiga;
  • Iogurte;
  • Queijos;
  • Bolos;
  • Biscoitos;
  • Chocolate;
  • Creme de leite;
  • Leite condensado;
  • Cream cheese;
  • Doce de leite, entre outros.

Uma pessoa com APLV pode comer o que?


Um indivíduo APLV pode comer qualquer produto que não tenha a proteína do leite ou que possa ter tido contato com essa proteína. Alguns alimentos recomendados são:
  • Carnes;
  • Vegetais;
  • Frutas;
  • Verduras;
  • Cereais;
  • Grãos. 
Lembrando que é importante se consultar com um médico especialista para que ele possa prescrever uma dieta mais adequada.

Como é feito o diagnóstico?


Não existe um exame específico que identifique a APLV com exatidão. Dependendo do tipo de alergia, o médico pode solicitar um teste de provocação oral, teste cutâneo ou exames de sangue.

Tratamento da alergia à proteína do leite


O principal tratamento é a exclusão de todos os alimentos que contenham a proteína do leite, pois mesmo que seja ingerido em pequena quantidade, ainda assim é possível gerar uma reação alérgica. 
Essa dieta de exclusão levará a uma resposta imunológica evitando o aparecimento dos sinais e sintomas, a progressão da doença e a piora das manifestações alérgicas.

A alergia à proteína do leite tem cura?


Sim! Essa alergia tem cura e, se o tratamento for devidamente realizado, a pessoa pode voltar a ser tolerante ao leite, conseguindo consumir novamente os alimentos. De acordo com a SBP, os lactentes com essa forma de alergia, apresentam mais sintomas gastrointestinais, com resolução desta situação em mais de 50% dos casos ainda no primeiro ano de vida.

Qual a diferença entre alergia ao leite e intolerância à lactose?


Algumas pessoas se confundem e acreditam que intolerância à lactose e alergia à proteína do leite são as mesmas enfermidades. Entretanto, essas duas condições são diferentes.
A intolerância à lactose ocorre devido a uma falta da enzima que digere a lactose. Ou seja, a intolerância é uma reação adversa que envolve a digestão ou o metabolismo, mas não o sistema imunológico. No caso da alergia, é o organismo que se defende do leite, pois entende que essa proteína pode ser algo prejudicial ao nosso corpo. Ou seja, na alegria envolve mecanismos imunológicos.
A lactose não gera uma alergia, e sim a intolerância. Enquanto isso, a proteína do leite da vaca pode ocasionar a alergia.

Acompanhamento médico


Agora que você já sabe o que é a alergia à proteína do leite, lembre-se que é essencial o acompanhamento com um médico de confiança para dar início ao tratamento e verificar a evolução e melhora do quadro, caso seja confirmado o diagnóstico.

Importante:


Aqui na Beep, você pode tirar suas dúvidas e fazer o agendamento dos seus exames laboratoriais e vacinas diretamente no aplicativo da Beep Saúde. É só clicar aqui para baixar! Faça tudo no conforto da sua casa, de domingo a domingo e sem pagar taxa domiciliar!
Ah, aproveite para seguir a gente nas redes sociais: Twitter, Instagram e Facebook. Também temos vagas para entrar na #OndaVerde em nosso LinkedIn. Vai lá! 🙂
Compartilhe com a gente sua experiência com a alergia à proteína do leite! Assim, você vai poder ajudar outras pessoas que procuram por mais informações.