Alergia a medicamentos: sintomas e como tratar

O hábito aparentemente inofensivo de automedicação pode ocasionar muitos problemas. Um deles é o risco da alergia a medicamentos. Nesse post do blog, você vai saber o que é essa doença, quem corre mais risco de desenvolvê-la e muito mais. Confira!
Mão com luva fazendo teste de alergia a medicamentos no braço do paciente.

O que é alergia a medicamentos?


Também chamada de reações de hipersensibilidade a medicamentos (RHM), ela acontece quando o sistema imunológico reage a um remédio como se ele fosse uma substância nociva para o corpo e começa a produzir anticorpos para atacá-la. 
Essa resposta imune acaba causando sintomas desconfortáveis e aumenta os marcadores de inflamação no organismo da pessoa. De acordo com a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), cerca de 16 milhões de brasileiros têm alergia a medicamentos

Quem corre o risco de desenvolver a doença?


A alergia medicamentosa pode ocorrer em pessoas de qualquer idade, mas é muito comum surgir em adultos e idosos. Isso acontece, pois eles tendem a usar mais remédios e estão mais expostos ao risco. Outros grupos com mais chances de desencadear a doença são pessoas com:
  • HIV que desenvolveram AIDS;
  • Asma, rinite ou dermatite atópica;
  • Reação alérgica a outros medicamentos.

É possível também a pessoa nunca ter sido alérgica e de repente se tornar. Como essa doença pode ocorrer com qualquer um, especialistas alertam para o risco da automedicação. O ideal é evitar o uso de qualquer tipo de remédio sem a devida orientação médica. 

Veja também: Alergia Emocional existe e é perigosa. Saiba o que fazer 


Quais medicamentos causam alergia?


Mulher com um frasco de medicação na mão colocando algumas pílulas de remédios na outra. Essa imagem é para ilustrar que tomar remédios por conta própria pode causar alergia a medicamentos.  
Praticamente todos os remédios têm algum risco de provocar reações alérgicas adversas. Entretanto, algumas medicações têm mais chances de causar alergia nas pessoas. Confira a lista que preparamos com as 7 mais comuns:                                                                                                                                                                                                                                 
  • Antibióticos;
  • Anticonvulsivantes ou antiepilépticos;
  • Anti-inflamatórios do tipo aspirina;
  • Contraste de iodo;
  • Medicamentos para quimioterapia;
  • Relaxantes musculares;
  • Remédios de tratamento contra o HIV.

De todas as medicações que informamos na lista acima, o mais comum é as pessoas desenvolverem alergia a anti-inflamatórios e antibióticos. 

Veja também: Tosse alérgica: como identificar e qual o tratamento


Como identificar a alergia a medicamentos? Principais sintomas


  Mulher loira mostra o braço vermelho que resultou da coceira, um dos sintomas da alergia a medicamentos.
O que você precisa saber é que os sinais podem aparecer imediatamente depois de tomar uma injeção ou inalar o remédio. Caso a pessoa faça a ingestão de um comprimido, os sintomas podem surgir até 1 hora depois, ou seja, tempo necessário para serem absorvidos. 
Também é possível que eles apareçam de forma tardia (48h depois de ingerir o remédio). Em casos mais raros, pode surgir a Síndrome de Stevens-Johson (SSJ), uma reação alérgica grave, que atinge a pele e as mucosas do paciente. 
Confira os sintomas mais comuns da alergia a medicamentos

Leves e moderados 


Na forma menos grave da alergia, alguns sintomas mais comuns são: 
  • Coceira e vermelhidão na pele;
  • Dificuldade para a abertura dos olhos;
  • Febre maior que 38ºC;
  • Nariz escorrendo;
  • Olhos lacrimejando, vermelhos ou inchados.

Graves 


A alergia medicamentosa pode ocasionar a anafilaxia, uma reação grave que causa risco de vida. Alguns sintomas são:  
  • Aceleração dos batimentos cardíacos;
  • Confusão mental;
  • Diarreia;
  • Dificuldade respiratória;
  • Garganta e/ou língua inchadas;
  • Vômitos;
  • Queda de pressão e sensação de desmaio;
  • Tontura.

Observação: o conjunto de lesões de pele que coçam e podem ser como manchas mais elevadas é chamado de urticária. Já nos casos graves, que há inchaço nas pálpebras e dificuldade respiratória devido garganta e língua inchados, chama-se angioedema.

 Veja também: Alergia alimentar na infância: como prevenir nos seus filhos


O que fazer caso haja suspeita de alergia medicamentosa?


Diversas embalagens de remédios em formato de pílula para ilustrar uma das causas da alergia a medicamentos
Se apresentar os sintomas leves, a pessoa pode tomar um anti-histamínico (anti-alérgico) – apenas se houver a certeza de que não é alérgica a ele -. Caso os olhos fiquem vermelhos ou inchados, o indicado é colocar uma compressa de soro fisiológico gelado no local. 
Mas fique atento(a)! Se você perceber que os sintomas não passaram em até uma hora ou evoluíram para os casos mais graves, procure o pronto socorro o mais rápido possível. 

Importância do diagnóstico e tratamento corretos


Depois que a crise de alergia a medicamentos passar, é muito importante marcar uma consulta com um alergista ou alergologista para verificar de fato qual foi a causa e identificar se ela ocorre em outras substâncias similares. 
O profissional irá fazer algumas perguntas para entender o histórico do paciente e poderá passar alguns exames como: teste cutâneo, de provocação injetável ou oral. Só é necessário realizar este último, caso os dois primeiros não dêem resultados precisos. 

Importante:


Você pode tirar suas dúvidas e fazer os agendamentos dos exames e vacinas desejados diretamente no aplicativo da Beep Saúde. É só clicar aqui para baixar!
Ah, aproveite para seguir a gente nas redes sociais: Twitter, Instagram e Facebook. Também temos vagas para entrar na #OndaVerde em nosso LinkedIn. Vai lá! 🙂
Se você já precisou lidar com alguma alergia a medicamentos, compartilhe sua experiência com a gente! Assim, você vai contribuir para ajudar outras pessoas que procuram por mais informações.

Fonte: 


ASBAI