Como manter imunidade alta em tempos de Covid-19

Em tempos de pandemia é fundamental que tenhamos nossa imunidade alta. Portanto, é essencial mantermos uma boa alimentação. O sistema imunológico do nosso corpo depende de minerais específicos, vitaminas e aminoácidos para funcionar de forma eficaz. Conversamos com a Dra. Beatriz Lam, pediatra apaixonada pela cozinha que atua também como Consultora de Introdução Alimentar. Em seu perfil, no Instagram, ela publica maravilhosas dicas de receitas saudáveis e práticas para inserirmos na nossa rotina. Aqui, destacamos algumas das suas valiosas informações, incluindo uma saborosa opção de cardápio! Sendo assim, não há desculpas para não preservamos nossa imunidade altíssima nessa quarentena.  Imunidade e alimentação

Imunidade e alimentação 

Minerais, vitaminas e aminoácidos são os nutrientes encontrados nos alimentos, principalmente in natura ou minimamente processados – portanto, busque sempre ter à mesa pratos com “comida de verdade”. Uma dieta variada que inclua os diferentes grupos como frutas, hortaliças, proteínas (de fonte animal e vegetal), carboidratos e gorduras em porções balanceadas é o ideal para mantermos uma alimentação saudável e, consequentemente, a imunidade alta. 

Coronavírus X Imunidade 

Estamos vivendo a pandemia de uma doença que desperta muitas dúvidas. Uma das poucas certezas que temos é a importância de uma alimentação saudável para garantirmos alta imunidade – fator relevante para que estejamos mais protegidos de qualquer acometimento. Afinal, organismos mais saudáveis têm melhores condições de reação às doenças. Por isso, a Dra. Beatriz destaca que, neste período, a atenção deve ser redobrada para a ingestão dos grupos alimentares citados, visto que durante as infecções pode haver indisposição geral, maior seletividade e diminuição do paladar e do apetite, levando a dietas monótonas. Imunidade e alimentação

Confinamento X Alimentação 

O confinamento no qual vivemos gera ansiedade, o que pode nos levar a um excesso de ingestão de alimentos ultraprocessados, além de promover maior sedentarismo. Por isso, a Dra. Beatriz chama a atenção para nutrientes essenciais que não devem faltar no nosso cardápio: zinco, ferro, selênio, magnésio, vitaminas do complexo B, vitamina C, vitamina E, vitamina A e vitamina D. Alguns exemplos de alimentos em que encontramos esses nutrientes são:
  • Leite materno: é importantíssimo continuar a amamentação (se possível até 2 anos de idade). Na impossibilidade do leite materno, utilizar uma fórmula infantil própria para a idade. Não deixe de consultar o pediatra;
  • Leite e derivados para crianças maiores, adolescentes e adultos: proteína, vitamina A, cálcio, fósforo, vitamina B2;
  • Carnes (bovina, suína, aves etc.), proteína, ferro, zinco, selênio, vitamina B12 e complexo B, vitamina A;
  • Peixes (atum e sardinha): proteína, ômega 3, vitamina D, cálcio;
  • Ovos: proteína, vitamina E, vitamina D;
  • Oleaginosas (nozes, castanhas, amêndoas): selênio, magnésio, vitamina E;
  • Hortaliças (verduras e legumes): complexo B, vitamina C, vitamina E, vitamina A, magnésio, folato;
  • Frutas: vitaminas A e C, minerais, fibras;
  • Leguminosas (feijão, soja, lentilha, grão de bico): proteína vegetal, ferro;
  • Óleos de soja e canola e azeite: energia, ômega 3, vitamina E.

Refeições para garantir imunidade alta

Devemos fazer no mínimo três refeições principais ao dia: café da manhã, almoço e jantar. Elas devem conter no mínimo um elemento de cada grupo alimentar (hortaliças, proteínas animal, leguminosas, carboidratos e gorduras). Logo, mantenha sua mente ligada nessa informação na hora de ir às compras e, principalmente, quando elaborar o cardápio do dia ou semana.  Crianças e adolescentes, ambos em fase de crescimento, geralmente precisam fazer mais uma ou duas pequenas refeições, portanto é importante manter a criatividade. Adultos, por hábito ou costume, também podem fazer outras pequenas refeições. Para tanto, a escolha dos alimentos a serem consumidos deve seguir as recomendações gerais e privilegiar alimentos in natura ou minimamente processados. Frutas frescas ou secas são excelentes alternativas, bem como leite, iogurte natural e castanhas ou nozes, na medida em que são alimentos com alto teor de nutrientes e grande poder de saciedade.

Dicas de como elaborar um cardápio

Olha esse quadro maravilhoso que a Dra. Beatriz preparou para você! Para uma semana escolha 2 tipos de proteína, 2 leguminosas, 2 tubérculos ou cereais, 2 legumes e 2 verduras. Com esses ingredientes você consegue fazer mais de uma preparação com cada item, e dessa forma não fica monótono.  Você pode variar ainda mais escolhendo 3 tipos de verduras e legumes, aumentando os nutrientes dessa refeição. Portanto, suas desculpas para uma alimentação não saudável acabam aqui. Imunidade e alimentação Se você gostou das dicas da Dra. Beatriz Lam, pode ter acesso a outras igualmente imperdíveis no seu perfil do Instagram. Siga e, assim, terá seu cardápio sempre criativo e saudável. ____________________________________________ Referências Bibliográficas: – Departamento Científico de Nutrologia. Sociedade Brasileira de Pediatria. Nota de alerta-Nutrição em tempos de COVID-19 – Departamento Científico de Nutrologia. Sociedade Brasileira de Pediatria. Manual de alimentação. 2018.  – Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Promoção a Saúde. Guia Alimentar para crianças menores de 2 anos.  – Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Promoção a Saúde. Guia Alimentar para a população brasileira.