Você sabia que fazer xixi demais, ter cansaço e feridas que demoram muito para cicatrizar podem indicar a presença da diabetes? Quer descobrir mais informações sobre essa doença do metabolismo e quais são as complicações que ela provoca? Veja no post! 


Saiba nesse artigo: 

O que é diabetes?


A diabetes, também chamada de diabetes mellitus, é um conjunto de doenças que fazem o organismo aumentar a concentração de glicose na corrente sanguínea. Popularmente conhecida como “açúcar alto no sangue”, os tipos mais comuns são 1 e 2, além da gestacional.  
Caso não haja tratamento, dependendo do tipo, a pessoa pode desenvolver complicações, como: desidratação e coma. Em alguns casos, pode levar até mesmo à morte.

Número de casos e óbitos no Brasil e no mundo


Dados da Federação Internacional de Diabetes, divulgados pela CNN Brasil, são bem alarmantes. Em 2021, 16,8 milhões de brasileiros foram diagnosticados com a doença. No mesmo período, ela matou 214 mil pessoas com idade entre 20 e 79 anos no país. Mundialmente, o número chegou a 537 milhões de adultos com essa doença em 2021 enquanto os óbitos chegaram a 6,7 milhões.  

Qual é a causa da diabetes?


A causa da diabetes é a resistência à insulina ou a falta desse hormônio. Quando isso acontece, a glicose se acumula no sangue e, se esses níveis aumentam muito, significa que a pessoa tem a doença.  

Quais são os tipos? 


Os tipos de diabetes mellitus são: gestacional, tipo 1 e 2, de origem genética e relacionada ao uso de remédios e outras doenças. 
Confira um resumo sobre cada uma delas abaixo:
Tipos de diabetes O que é e como é causada
Gestacional Aumento da glicose durante a fase de gestação. Pode surgir, principalmente, após a gestante ganhar muito peso durante o período. 
Tipo 1É uma doença autoimune, com origem genética, que faz os níveis de glicose aumentarem. Ocorre quando os anticorpos, em vez de atacarem os vírus/bactérias/etc., destroem as células do pâncreas responsáveis pela produção de insulina. É muito comum que ela surja durante a infância e adolescência.
Tipo 2Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), 90% dos pacientes diagnosticados com a diabetes mellitus têm o tipo 2 e é mais comum em quem tem mais de 40 anos. Ocorre quando as células apresentam resistência à insulina.
Relacionada ao uso de remédios e outras patologias (doenças)Quando a glicose aumenta devido à  utilização de alguns tipos de remédios (à base de cortisona) e/ou presença da pancreatite alcoólica, hipertireoidismo, entre outras doenças.
Origem genéticaOcorre quando o corpo humano apresenta defeitos genéticos na ação da insulina ou na função da célula beta (MODY 1, 2 e 3).

O que é pré-diabetes?


A pré-diabetes é muito comum em pacientes que podem desenvolver o tipo 2 dessa doença. Como o próprio nome sugere, ela ocorre antes da doença em si. Está relacionada ao aumento de glicose no sangue, porém esses níveis não são tão altos a ponto de ser o tipo 2. 
Se a pessoa não detectar essa doença e não fizer o tratamento adequado, esse quadro pode evoluir para o tipo 2 em um período entre 3 e 5 anos. Essa transição pode ocorrer em ⅓ das pessoas que estão na fase de pré-diabetes. 
Exames para detecção do pré-diabetesNíveis que indicam a presença da doença
Glicemia de jejum Maior ou igual a 100 mg/dL e menor do que 126 mg/dL
Glicemia  Maior ou igual a 140 mg/dL e menor do que 200 mg/dL
Hemoglobina glicadaA taxa deve ficar entre 5,7% e 6,4%

Fonte: Sociedade Brasileira de Diabetes

Fatores de risco


Pessoas obesas (crianças ou adultos), com histórico na família, estresse, sedentarismo, hipertensão, quem tem altos níveis de colesterol e triglicerídeos, indivíduos que tomam remédios (à base de cortisona) e maiores de 40 anos. Esse último é um fator de risco, principalmente, para o aparecimento do tipo 2.

Quais são os sintomas de diabetes?


Alguns sintomas podem indicar que a pessoa está com a doença: 
  • Falta de energia/cansaço;
  • Fazer xixi frequentemente;
  • Fome excessiva; 
  • Infecções recorrentes;  
  • Lentidão na cicatrização das feridas; 
  • Mau hálito; 
  • Perda de peso;
  • Sede em excesso;
  • Visão embaçada; 
  • Entre outros. 

Quais são as possíveis complicações da diabetes?


A diabetes mellitus, se não for devidamente tratada, pode causar algumas complicações no coração, pés, rins, vasos sanguíneos e visão. Em casos graves, pode levar a pessoa à morte.    

O que fazer se esses sintomas aparecerem?


Se você apresentar alguns dos sintomas de diabetes, como: urina em excesso, cansaço, fome frequente, entre outros, procure um(a) médico(a). Ele(a) vai prescrever exames para verificar se há a presença da diabetes e indicar o tratamento mais adequado. 

Como diagnosticar a diabetes? 


Médicos podem pedir exames de sangue para medir os níveis de glicose, como: glicemia, glicemia casual e a glicemia de jejum.  


Como saber se tenho diabetes?


Se o resultado do exame de glicemia de jejum for maior ou igual a 126 mg/dL e o de glicemia casual for maior ou igual a 200 mg/dL, indica-se a presença da diabetes. Caso o exame de hemoglobina glicada mostre uma taxa maior ou igual a 6,5%, também ocorre esse resultado. Entretanto, é importante dizer que o diagnóstico só deve ser feito pelo médico.

Qual é o tratamento?


Médicos podem prescrever tratamentos diferentes para controlar os níveis de glicose, de acordo com o tipo da doença. No caso da diabetes do tipo 1, por exemplo, pacientes devem  utilizar insulina por via injetável. Já no tipo 2, a recomendação é tomar remédios para controlar a doença e fazer uma dieta equilibrada, por exemplo.

Como prevenir a diabetes?


As dicas para prevenir a diabetes, principalmente do tipo 2, são:
  • Alimentar-se bem;
  • Controlar tanto a pressão arterial quanto os níveis de colesterol e triglicerídeos;
  • Praticar exercícios físicos;
  • Manter o peso controlado;
  • Não se automedicar (principalmente com remédios que são à base de cortisona); 
  • Não fumar;
  • Reduzir o estresse. 

Não poderia faltar nessa lista fazer exames de rotina para detectar qualquer tipo de alteração que indique a presença dessa doença. 

Perguntas frequentes: médico responde


Como a diabetes pode matar?


A diabetes, quando não controlada, é capaz de gerar lesões em diversos órgãos e trazer complicações que podem levar ao óbito. Dessa forma, é de extrema importância o controle rigoroso da diabetes para diminuir as chances de complicações.  

Quem tem diabetes pode doar sangue?


Não são todos os portadores de diabetes que podem doar sangue. A doação de sangue não pode ser feita por pacientes que são insulinodependentes, ou seja, aqueles que utilizam a insulina como tratamento. Porém, diabéticos que utilizam hipoglicemiantes orais e não apresentam nenhuma alteração vascular podem realizar a doação de sangue. 

Existe alguma forma de prevenir a diabetes do tipo 1?


Não existe uma maneira comprovada de prevenir a diabetes tipo 1 atualmente. Porém, hábitos saudáveis podem ajudar na prevenção ou redução de complicações associadas à doença. 

Acordar cedo e sair de casa para fazer exames é coisa do passado. Deixa que a gente vai até você!


Os exames de sangue para detectar os níveis de glicose podem ser feitos no conforto da sua casa. O melhor é que o nosso atendimento ocorre de domingo a domingo (inclusive nos feriados) e você não paga taxa domiciliar. Baixe agora mesmo o nosso aplicativo e agende uma visita!